segunda-feira, 4 de maio de 2009

Olhos nos Olhos

Olhos Nos Olhos
(Chico Buarque)

Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci

Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos no olhos, quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você passo bem demais

E que venho até remoçando
Me pego cantando
Sem mais nem porquê
E tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você

Quando talvez precisar de mim
Você sabe a casa é sempre sua, venha sim
Olhos nos olhos, quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz

Resposta à música do Chico:



Belo Horizonte, 4 de maio de 2009

Marisa,
escrevo esta carta, apenas para esclarecer mais uma vez tudo aquilo que foi dito quando rompemos nossa relação.
Você, sempre teve como característica marcante essa sua imutável ignorância, e assim, mesmo após um ano separados ainda insiste em dizer que eu a deixei de forma leviana. Criando a imagem de um homem sem caráter, que a largou à própria sorte, a qual, você, intimamente sabe que não condiz com a minha pessoa.
Sei que você sofreu, morreu de ciúmes e perdera o juízo. Não nego que também passei por mals tempos no início. Tal sofrimento, me fez amadurecer e ver que agi certo ao terminar. Você nao mudaria nunca e suas últimas palavras apenas confirmam isso. Até hoje não enxergou que sempre foi ciumenta, possessiva e que isto a levou a atos impensados, a crises profundas e a inúmeras brigas. E muito menos percebera, que o conjunto de todas essas coisas, fora o real motivo para eu a deixar. Aliado à sua cegueira permanente, há a sua completa indignação pelo fato de eu ainda amá-la quando resolvi partir. Algo que você jamais tentou e conseguiu compreender.
Apesar de desejar que realmente esteja feliz, não consigo acreditar em suas palavras. Creio que alguém que estivesse de fato refeita, não precisaria de outra para provar e exibir sua felicidade. Porém, se você assim quer, proponho um encontro para vermos quem é que não suporta o outro feliz. Olhos nos olhos.
Abraços.
Márcio

2 comentários:

P. disse...

Aliado à sua cegueira permanente, há a sua completa indignação pelo fato de eu ainda amá-la quando resolvi partir. Algo que você jamais tentou e conseguiu compreender.Achei tão bonita, apesar de triste, esta passagem.

Apesar de desejar que realmente esteja feliz, não consigo acreditar em suas palavras. Creio que alguém que estivesse de fato refeita, não precisaria de outra para provar e exibir sua felicidade.No mínimo controverso, não? Acredito que seja mais uma forma de fingir para si mesmo que é atraente e, de quebra, tentar mostrar isto para quem deixou de achá-lo.

Porém, se você assim quer, proponho um encontro para vermos quem é que não suporta o outro feliz. Olhos nos olhos.Uau. Sutil, porém não menos poderoso, desafio, cujo ápice foi essa intimação - não é esta a palavra correta, mas é a única que me vem à mente - à verdade.

Gostei muito deste desfecho.

Abraços!

Alexandre Silva disse...

No aeroporto deve ter mais lugares pra vender Trident. Ruim seria se ele estivesse...na beira da estrada. Mas a pergunta, o Trident era por pura mania mesmo ou pq Marcos tinha uma mau hálito crônico?
Gostei da sopa...
Dps prometo q comento o texto acima... ^^
http://falandoprasparedes.blogspot.com