quarta-feira, 14 de outubro de 2009

E me disse que ...

E me disse que queria viver. E mais: que iria viver.

Disse também que estava cansada de sua (falta de) vida virtual, de sentimentos virtuais e de relações inanimadas. E disse ainda; estava farta de contatos e seu mais novo objetivo era "com tatos".

Não queria mais apenas ler; disse que isso cabia aos seus livros, aos poemas e as crônicas, não à vida. E que não iria ser mais apenas uma narradora onisciente,escrevendo sobre sua vida e idéias. Desejava, no mínimo, ser uma narradora-personagem, na primeira pessoa do singular. E quem sabe assim, conseguisse, ás vezes, se conjugar no plural.

Me disse também que gostaria de rir, mas sorrir de verdade, aqueles sorrisos que fazem a barriga doer e a bexiga se soltar; e que precisava disto, havia se cansado das prosopópeias do riso. Não faziam sentido, não liberavam endorfina.

E me disse categoricamente que não olharia mais perfis e nem adicionaria pessoas, achava tudo aquilo muito pragmático e previsível; disse que iria conhecê-las sem informações prévias e deixaria se surpreender, e até mesmo se decepcionar.

Me disse, por último, que iria parar de me dizer.

E ficou offline.

6 comentários:

disse...

Parece que você fala de alguém - não por usar a 3ª pessoa do singular, mas dá a impressão mesmo - que conheço.

Faltam Com tatos sem perfil detalhado. Falta descobrir quem são, o que amam, o que fazem, o que lêem, ouvem e vêem. Nada se compara a descobrir em tempo real o que bate e não bate. Que ele(a) é muito mais bonito(a) pessoalmente, sem estratagemas.

Engraçado que eu faço meu ode ao aqui-e-agora mas há anos não experimento tal descoberta. Irônico, mas compreensível.
Qualquer dia eu pego um ar e largo dessa máquina, que é como minha mãe chama o computador. rs

Texto curto que mandou bem o recado.

Abraços!

Natália Coelho disse...

Adoro seus comentários P. Sempre acrescentando e dialogando comigo.

disse...

Confesso que comentar suas postagens é relativamente fácil: sempre me identifico. E que sou grata pelo que disseste :D

Lacobos disse...

Adorei o texto, amei a imagem!

Uacht!

http://dadonanet.blogspot.com/

Penny Lane disse...

Tô precisando fazer isto aí.
Viver coisas mais reais ;)

Eduardo Franciskolwisk disse...

Muito bom!!

Eu me vi nessa históra aí. Mas o vício é uma droga...

O texto ficou fantátisco!