domingo, 4 de outubro de 2009

Egoísmo branco

O que eu mais queria neste instante, era alguma palavra que lhe confortasse. Porém não a sei. Não me veio à mente, apesar de tamanho esforço em lembrar; em dizer algo que amenizasse o que está passando. E ao me esforçar, me pergunto quem eu estou querendo ajudar, se é a mim, ou se é a você. Sendo humana, logo egoísta, não poderia pensar em ninguém antes de mim mesma.

Antes que diga que sou sincera demais, explico. Após anos de relacionamento, você resolveu me chamar de amiga, e como tal, devo sempre estar ao seu dispor, pronta para ampará-la quando me chamar, e claro, dizer sempre aquilo que necessita ouvir. E é aí, que entra o meu lado egoísta. Eu preciso honrar ao título de amiga por que ele simplesmente me agrada. Sendo assim, eu também preciso dessa maldita palavra que irá lhe fazer bem, para primeiro fazer jus ao título de amiga, e só depois por que ela poderá te ajudar.

No entanto, estamos as duas na mão. Não encontro palavras, creio não haver alguma. Você vai ter que sentir essa ferida ardendo sem nenhum dos meus "merthiolates" para cicatrizar.

Sinto muito, essa eu vou ficar ME devendo.

4 comentários:

disse...

"Você vai ter que sentir essa ferida ardendo sem nenhum dos meus "merthiolates" para cicatrizar. Sinto muito, essa eu vou ficar ME devendo."

Para mim, este foi o "momento-chave" da situação descrita, além de uma bem construída metáfora, relativa à necessidade de atender e honrar o "cargo" daquela que sempre deve ter uma palavra reconfortadora na manga - geralmente, é a universal "não fica assim não...", mas o ser não pode simplesmente "desficar". E ficar devendo aquele merthiolatezinho, como você mesmo escreveu, acaba gerando uma dívida a si mesmo. Quisera eu saber o que deve ser dito!

Abraços.

Alexandre Silva disse...

Esses textos mto elaborados e cheios de retóricas transversais paralelas são prejudiciais às pessoas menos inteligentes que frequentam aqui :/
Eu ñ entendi chongas ^^

Natália Coelho disse...

Acho que o comentário da Pê explica melhor do que eu, o objetivo do post.
Mas confesso, que de objetivo ele não tem nada. Assumo que foi pra lá de subjetivo.

E também acho que esse comentário não explica é nada também. Enfim...
subjetividade não era seu lema?
:P

Adriano Ferreira, CM disse...

não concordo que o egoísmo é inerente à natureza humana, somos seres sociais, se não nos relacionarmos morremos. às vezes nos colocamos à frente de tudo e de todos, isso é egoísmo, mas se ficamos só nisso, não sobrevivemos. o egoísmo, por mais que possa paracer o contrário é uma escolha. e nem sempre é uma escolha inteligente.

abraço

adriano