sexta-feira, 19 de junho de 2009

Teorias sem prática de um dia 12

Sexta – feira, dia 12 de junho de 2009, 20 horas, o celular de Juliana toca.

“Duda chamando”.

- Fala fia. – Juliana atende o celular.

- Ju, ‘bora fazer algo hoje?

- Vamos Duda, não estou nem um pouco a fim de passar ESSA noite em casa, vendo televisão.

- Então vamos naquele barzinho no centro, o que você acha?

- Demorô, já está perto aqui do cursinho mesmo. Só vou terminar de assistir a aula de Física e vou pra lá, pode ser?

- Beleza, negócio fechado. Até mais então.

As duas amigas se encontram, sentam e logo percebem um fato já esperado por elas. De cada 10 mesas, 9 tinham casais de namorados, só havia as duas sem um parceiro ao lado. Afinal, era dia 12, nada fora do comum.

- Aí Duda, tô começando a pensar que era melhor ter ficado em casa comendo brigadeiro. Olha em volta, amiga. – Juliana diz, se escorando na mesa como se tentasse esconder o que dizia.

- Ah, relaxa sô. Pede um chopp aí e vamos brindar ao Dia dos Namorados sem namorado! – Duda finge uma certa empolgação, mas não deixa de olhar em volta.

- Uhu. Viva a nós. – Juliana responde sem nenhuma animação - Garçom! – acena para o atendente mais próximo.

O garçom se aproxima e pergunta:

- O que desejam?

- Dois chopps, por favor. – Juliana responde.

- Vocês não querem mais duas cadeiras? – ele diz.

- Não, por quê? Parece que nós estamos esperando por alguém? – Duda responde com seu tom ácido característico.

- Não, é que...er, é que eu pensei que...hoje é dia 12,né.

- Tá, tá bom, pensou errado. Nós estamos nos acompanhando, ok? – disse Duda encerrando o episódio.

- É amiga, essa foi pra fechar o dia. Será que sempre temos que ter alguém ao lado? Essa é a regra hoje em dia? – Juliana pergunta.


- Se é a regra eu não sei, mas que tá na moda namorar, ah isso tá!

- Malditos! Só porque todo mundo tem namorado eu também tenho que querer ter um? Não dá pra ser feliz solteira, não? - Juliana se revolta frente à essas situações.

- Ah, fala que você não quer um? Mas dá pra ser feliz sim, olha pra gente amiga. Eu não ando por aí chorando, você anda?

- Não, não mesmo. Mas querer namorar, eu até quero sabe, o problema consiste em achar a tal pessoa.

- Taí, falou uma coisa certa... – Duda começa a refletir – Mas Ju, você não se acha bonita, inteligente e bacana o suficiente pra atrair alguém? Por que eu me acho, e até penso isso de você também. – ela diz rindo.

-Acho. E também sei que somos bem modestas. – Juliana responde com seu jeito irônico habitual.

- Pois bem, se nós somos tudo isso. Por que estamos sozinhas então?

- Primeiro, nós não estamos sozinhas. Temos uma à outra. Puta que pariu, que lésbico foi isso. – Juliana começa a rir. - Além da família, é claro, mas enfim, nós também somos mega exigentes e chatas na escolha.

- Ai amiga, que lindo! “Uma à outra”. Hahahahah. – Duda responde euforicamente – Mas voltando ao assunto. A gente até pode ser chata, mas ultimamente nós nem estamos tendo o que escolher. Hahahahah. Caralho, que deprimente isso.

- Sabe, nem te contei, mas há uns dias atrás, eu andei formulando teorias que explicam a nossa solteirice com base numa ciência exata.

- Solteirice você foi gentil, né não? Pode falar "encalhamento" mesmo. - Duda infere novamente sua acidez.

- Tá, chame do que quiser. Mas como eu estava falando, nada de psicologia e antropologia. Fui direto aos números e experiências que são comprovados na prática, sabe como é?

- Ah não! Lá vem você e suas viagens. Mas me conta aí, quem sabe eu não encontro a solução hoje ainda. – Duda responde, se acomodando para a história por vir.

- Então tá, preste bastante atenção que o negócio é complexo. – Juliana diz com um tom de suspense no ar.

Continua...

Post dedicado à duas Anas queridas, Ana Maria e Ana Carolina.

8 comentários:

Marcos Pinheiro disse...

Ah, não... Bota logo essa continuação, sô!

Tô doido pra saber dessa teoria ai, afinal eu também sou um encalhado!

P. disse...

Que maldade interromper o relato no ápice!

"Caralho, que deprimente isso."
Achei graça disso, às vezes falo assim, e de outras coisas também. Mas paro por aqui, para comentar o texto como um todo quando você postar a segunda parte e pra fazer mistério também rs

Abraços!

Aninha (Maria) disse...

Nat, adorei
quero saber a continuaçao

obs:intuiçoes me dizem q a Duda e a Ju nao existem e q seus nomes verdadeiros sao Nat e Carol
uhauhauhauha

bjoo

Ronaldo disse...

quando vier a continução avise, please

bom findi

bjsssss

Lelli Ramz disse...

apaixone-se não só por eles, nem apenas nos dias especiais..

seja você:

Apaixonada pela vida... essa sou eu...apaixonada pela facilidade.. de ser... quem sou..da descomplicação... de tudo... dos amores... dos senhores... ah dos senhores..!!!Apaixonada.. por dormir e acordar.. sim vc s deu conta q acordou hj???Ah eu acordei.. com a delícia... d ser.. quem eu sou... apaixonada sobretudo por mim!!!♥○°♥○°♥○°♥○°♥○°


paixões, talvez namoros, mas com certeza muitos rolos..

Lello

Rubervânio Rubinho Lima disse...

Caramba,
a senhora é muito boa na criação dessas narrativas em diálogo.
Estou aguardando, agora, o desfecho desse continho.
Adorei aquele da deusa da fertilidade, que li um tempo atrás.

Um abração aí pra minas, môççç

Paula disse...

Quero ver a continuação... Mas é chato ser solteira no mundo dos casais nesse dia. Só nesse dia.
Bjos,
Paulinha

Carol disse...

"obs:intuiçoes me dizem q a Duda e a Ju nao existem e q seus nomes verdadeiros sao Nat e Carol"

achei paia isso!
sauhsuhauhsuahsa

essas personagens nem estão parecidas com a gente..! (ironia/mode off)